O BOM SAMARITANO (Lc 10,29-37)

  • INTRODUÇÃO E AQUECIMENTO

Acolhida dos participantes e apresentações
–     Do formador, do método, das regras (cf. p.)…
–     Do tema: amar aos outros de forma concreta

Relação com o Espirito Santo
Momento simples de relação
–     Colocando uma vela acesa no centro. Convidar a colocar uma mão no coração para perceber o Espírito Santo que está já em nós pelo dom do batismo… que nos guia, que nos ajuda a amar quando nossa humanidade nos impulsaria a odiar, a procurar vingança… Este Espírito está em nós e quer ainda mais nos guiar pelas estradas da vida… Entre em contato com este Espírito que abraça sua alma… (Se quiser, depois de alguns segundos de silêncio fazer um canto ao Espírito bem conhecido pelos participantes). 


Criar relações no grupo
Foto-linguagem 
–     Se colocam no centro imagens diferentes. Os participantes são convidados a caminhar ao redor delas e escolher a imagem que mais o representa neste momento. Sublinhar que não é para escolher a foto da qual gosto mais mas aquela que diz algo sobre mim.          (65-Serena alegra 01)

Partilha do nome e da foto
–     (por convite: cada um se apresenta a outro do grupo o qual depois irá se apresentar a outro)

Caminhada com jogos de papéis
–     Convidar caminhar livremente                                                      (50 – Relax 05)
–     Você é um “sem-teto; um vagabundo “, que vaga durante a noite nas ruas de uma cidade.                                                                                                (33 – Meditativa 01)
–     Todos imaginam serem um cego (de preferência com os olhos vendados), que caminha pela estrada, fechando os olhos. Expressar uma emoção.          (86 – Triste 03) 
–     Dividir o grupo em dois subgrupos. O grupo A continua sendo este cego (de olhos vendados) O grupo B., aproximando-se silenciosamente cada um para um dos cegos do grupo”A”, o toma pela mão para ajudá-lo a caminhar na rua, comunicando segurança (lentamente atravessar a sala). “No papel deste cego acompanhado eu me sinto …? “. “No papel deste voluntário que acompanha eu sinto …? “.                 (66 – Serena Alegra 02)
–     Em seguida, repetir mudando os papéis dos grupos A e B.  (66 – Serena Alegra 02)

No final, expressão dos desejos
–     Pensando quando você também é muito ou pouco em dificuldade, e se sente sozinho: qual é a necessidade ou o desejo que sente no seu coração? 

  • ENCONTRO COM A PALAVRA

Leitura do trecho de Lc 10,25-37
25Um doutor da Lei se levantou e, querendo experimentar Jesus, perguntou: “Mestre, que devo fazer para herdar a vida eterna?”26Jesus lhe disse: “Que está escrito na Lei? Como lês?”27Ele respondeu: “Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração e com toda a tua alma, com toda a tua força e com todo o teu entendimento; e teu próximo como a ti mesmo!”28Jesus lhe disse: “Respondeste corretamente. Faze isso e viverás”.29Ele, porém, querendo justificar-se, disse a Jesus: “E quem é o meu próximo?” Jesus retomou:
30“Certo homem descia de Jerusalém para Jericó e caiu nas mãos de assaltantes. Estes arrancaram-lhe tudo, espancaram-no e foram-se embora, deixando-o quase morto.31Por acaso, um sacerdote estava passando por aquele caminho. Quando viu o homem, seguiu adiante, pelo outro lado.32O mesmo aconteceu com um levita: chegou ao lugar, viu o homem e seguiu adiante, pelo outro lado.33Mas um samaritano, que estava viajando, chegou perto dele, viu, e moveu-se de compaixão.34Aproximou-se dele e tratou-lhe as feridas, derramando nelas óleo e vinho. Depois colocou-o em seu próprio animal e o levou a uma pensão, onde cuidou dele.35No dia seguinte, pegou dois denários e entregou-os ao dono da pensão, recomendando: ‘Toma conta dele! Quando eu voltar, pagarei o que tiveres gasto a mais’.36Na tua opinião – perguntou Jesus –, qual dos três foi o próximo do homem que caiu nas mãos dos assaltantes?”37Ele respondeu: “Aquele que usou de misericórdia para com ele”. Então Jesus lhe disse: “Vai e faze tu a mesma coisa”.

PARTE 1: Lc 10,25-33: diferentes formas de atender o homem

Esquematização da cena com panos coloridos
–     homem (pano marrom, fraqueza do homem, colocá-lo no centro da sala)
–     Colocar em várias posições dentro da sala os panos das outras personagens:
–     Um dos ladrões (pano escuro, aquele que faz o mal voluntariamente)
–     o sacerdote (pano azul, o que parece estar mais perto de Deus)
–     o levita (toalha amarela, a luz que deve ter aquele que estuda tanto a lei)
–     o samaritano (pano vermelho, amor, coração capaz de amar)

Escolha da personagem
Cada um escolhe uma personagem que agora está dizer algo à minha vida, me parece entender melhor, sobre como se pode viver a relação com o outro. Não é o do qual eu gosto mais…

Partilha 
–     Cada personagem se torna uma “ilha” ao redor da qual os que a escolheram partilha o que aquela personagem diz à sua vida.

Partilha geral
–     Pedir para alguém de cada grupo para dizer alguma coisa.

PARTE 2: Lc 10,34-35: Cuidar do outro

Simbolização do homem ferido:
–     Tira-se toda personagem, deixando só no centro o homem ferido. 
Espelhos
–     Convite a olhar no centro o homem ferido.      (87 – Triste 04)
–     Pedir ao grupo um espelho sobre o homem ferido. Como imaginam que ele se sente.

Simbolização do samaritano
–     Coloca-se perto do homem ferido o Samaritano, que cuida dele. 

Espelhos
–     Convite a olhar no centro o samaritano.      (79 – Ternura amor 02)
–     Pedir ao grupo um espelho sobre o samaritano. Como imaginam que ele se sente.

Todo mundo se torna “Samaritano” (somente com a imaginação, não o corpo).
–     Ao falar três, todos se tornam o samaritano.             (27 – Malincónica 01)
–     De olho fechado, ajudar a imaginar a cena de ser samaritano que cuida do homem ferido.
–     Pedir para expressar uma emoção.
–     Depois fazer voltar a ser si mesmos.



PARTE 2: Lc 10,34-35: Cuidar do outro

Esquematização da cena
–     Colocar todas as personagens (bandidos, sacerdote, levita, Samaritano, adicionar o hoteleiro) na frente do homem ferido. 
Dramatização do homem ferido, com mensagens às outras personagens
–     Pedir para quem quiser assumir o papel de homem ferido, agora curado, e dar uma mensagem  para um ou mais personagens 

Imaginação facilitada
–     Fazer surgir uma imagem que expresse a maneira em que Deus pede me relacionar com os outros na vida real.                                      (72 – Serena Doce 04)

Partilha
–     Partilha da imagem. Se for em grupos, depois escolher o emergente grupal que cada grupo partilha com todos 

  • ORAÇÃO FINAL

Ambiente
–     Vela no centro. Pano vermelho de Jesus. Ao redor dele, fazendo um grande círculo, colocar cartazes com nomes ou fotos de pessoas que na sua vida foram “próximos” dos pobres, marginalizados e doentes (Es. M. Teresa de Calcutá, Roul Follerou, P. Damiano de Molokai, Abbé Pierre, Mons. Oscar Romero, etc…), deixando um espaço vazio entre um e outro.

Símbolo vivenciado
–     Cada um é convidado, com liberdade, a dar um passo entrando na roda dos “Bons Samaritanos” de hoje. Fazendo isso, pode expressar uma emoção, uma palavra de compromisso ou uma oração.

Orações espontâneas
–     Ficando nesta roda, livremente expressar orações.

Concluir com o Pai nosso




Esta entrada foi publicada em Roteiros Lucas. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *