Dissolução da Associação

28. A Associação, em sua natureza perpétua, pode chegar a um fim por uma resolução da maioria de dois terços dos seus membros, em conformidade com o artigo. 17, ou por intervenção do Bispo diocesano pela não-existência de Membros e de atividade por mais de dez anos, ou pelas razões consideradas pelo cân. 326. Em caso de rescisão o patrimônio existente será destinado à realização de atividades de evangelização e para esta finalidade dada ao bispo diocesano.

  1. Todo mundo se sente pessoalmente responsável pela vida da Associação, pela sua unidade, pela busca da vontade de Deus sobre ela; seja promotor com seu próprio compromisso pessoal, com a contribuição da inteligência e da intuição, postos a serviço da Obra.
    Como acolhamos a Associação das mãos de Deus como um dom, na mesma forma estamos dispostos a re entregá-la nas suas mãos quando, no discernimento comunitário, entenderemos que já não responde à sua vontade.