6. Ferramentas para compreender a realidade do grupo

Na primeira fase é bom que o facilitador entenda a realidade do grupo,  tanto na sua composição quanto à posição dos participantes a respeito do tema. Para esta finalidade podem ser usadas as sociometrias de ação.

1. Utilidade das sociometrias

As sociometrias são esquematizadas no meio da sala, através de objetos simbólicos e/ou pela posição do corpo dos participantes. A distância ou a proximidade de cada elemento, em relação ao outro, assume um significado explícito, o qual pode ser também verbalizado.

A sociometria, além de ser capaz de expressar rapidamente e ao mesmo tempo visualmente a opinião ou a experiência de cada membro do grupo, permite aos participantes começar a se colocar em ação e em uma relação mais “física” entre eles. Esta ferramenta, portanto, tem uma função de aquecimento psico-motor também.

Na sociometria se age rapidamente, dando pouco tempo para a verbalização explicativa. Muitas vezes, entrevistas são feitas apenas como um exemplo, a apenas alguns dos participantes, aqueles que são posicionados de modos diferentes.

Para que a experiência seja livre de condicionamentos, é aconselhável pedir aos participantes de se localizar no espaço todos contemporaneamente.

2. Formas sociométricas

a. Opostos

Esta sociometria é realizada pedindo aos participantes para assumir uma posição clara na frente de um tema ou questão, expressando-a fisicamente, colocando-se em dois lados opostos de um espaço (por exemplo, à direita e à esquerda da sala, ou em torno de dois cartazes que dizem  SI – NÃO, ou PRO e CONTRA, ou duas realidades diferentes…). É pedida uma escolha entre duas partes opostas ou alternativas; não tem permissão para estar em ambos os lados.

Este tipo de sociometria pode ser também um ponto de partida para uma discussão. Por exemplo, pode-se pedir aos participantes para expressar as razões de sua escolha, ou, através da técnica do “processo” (em que as partes são da acusação e da defesa) iniciar um diálogo/discussão.

b. Barômetro

Exemplo do barômetro

 

O barômetro é um tipo especial de sociometria em que os participantes devem se colocar sobre uma linha imaginária, para expressar quanto concordam com um determinado pensamento expresso pelo facilitador ou por outros. Neste caso, uma extremidade da linha (simbolizada por um pano ou por um sinal) expressa o máximo, a outra extremidade o mínimo… Neste tipo de sociometria, respeito à precedente, os participantes podem colocar-se em posições intermédias também, desde que evitem se localizar no meio da linha imaginária sem tomar uma posição clara. Quem quiser, ou quem é entrevistado, explica o motivo de sua posição.

Às vezes, em vez de apresentar a linha como uma escala graduada entre um mínimo e um máximo, pode ser usados dois extremos opostos (como “ansiedade” e “desejo”, por exemplo, respeito à participação ao encontro).

c. Círculos

Os participantes são chamados a se colocarem em mais círculos, imaginados um dentro do outro, cujo centro expressa o “mais” ou “menos” respeito à questão ou tema, diminuindo ou aumentando gradualmente.

Por exemplo, pode-se representar desta forma o nível de pertença dos vários membros de um grupo: no centro colocam-se aqueles que participam das reuniões desde menos de um mês, em um círculo exterior os participantes desde menos de um ano, no círculo mais exterior ainda, aqueles que houver mais de um ano de participação no grupo.

O facilitador pode se relacionar com as pessoas dos vários círculos, assim como pedir aos participantes desde mais tempo para dizer àqueles que participam menos tempo “algo” importante aprendido na fidelidade ao grupo, ou pedir para alguém que é mais novo no grupo para fazer uma pergunta para aqueles que  estão no grupo há mais tempo…

d. Ilhas

As ilhas podem ser utilizadas por exemplo para apresentar a composição do grupo. Neste caso, colocam-se panos diferentes (ilhas) que expressam um dado objetivo das pessoas.

Por exemplo, cinco panos são colocados na sala, um para cada faixa etária em relação a diferentes classes de catecismo. Os catequistas vão se aproximar daquele da faixa  que anima. Pode-se agora partilhar entre pessoas da mesma ilha e expressar, por exemplo, como vivem o relacionamento com seu grupo.

A sociometria pode ser concluída com a partilha geral, onde um por cada grupo partilha com os outros.

Esta entrada foi publicada em Ferramentas para a Fase 1. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *